sábado, 9 de fevereiro de 2013

Banif Estado vai Controlar 99,2% II

         


"ALMADA NEGREIROS – “Portugal inteiro há-de abrir os olhos um dia – se é que a sua cegueira não é incurável – e então gritará comigo, a meu lado, a necessidade que Portugal tem de ser qualquer coisa de asseado”.

Eu não tenho explicação e por isso não posso explicar. Fica-me no entanto um asco acrescido por entre silvas e montes de raiva, que me apetece pegar-lhe  fogo para lhes acabar com a raça.




Construção ditou intervenção no Banif (2ª. Versão Sol )
O Estado vai injectar 1,1 mil milhões de euros no Banif e assegurar a quase totalidade do capital do oitavo maior banco em Portugal, uma instituição que estava amplamente exposta às três áreas mais frágeis da economia: construção, Madeira e Pequenas e Médias Empresas (PME).
A intervenção estatal no banco madeirense – via fundo de recapitalização da troika de 12 mil milhões de euros – destaca-se pelo valor, face à dimensão do banco no sector financeiro. O Estado irá injectar um montante próximo do disponibilizado ao BPI (1,3 mil milhões de euros), apesar de a dimensão do Banif em activos ser um apenas um terço do banco liderado por Fernando Ulrich.
O Estado irá entregar 700 milhões em capital – acções com direitos especiais – e os restantes 400 milhões em dívida, através de instrumentos de capital contingente (dívida que se transforma em acções se não fôr paga). Vai ficar com o controlo e 99% do capital do banco até Junho. Nesse mês, o Banif irá fazer um aumento de capital de 450 milhões de euros para os seus accionistas. Se for bem sucedido, o Estado reduz a sua participação para 60% do capital e os direitos de voto para 49%, perdendo assim o controlo total da instituição.
«Entende-se a complexidade das negociações quando este valor corresponde a mais de 11 vezes o valor do banco em bolsa. Existe a necessidade de estabilização do sistema financeiro e evitar perigos de contágio de instituições financeiras em dificuldades, motivos que convencem o Governo a injectar este montante de capitais no Banif», adianta Pedro Lino, presidente da Dif Brokers.
A entrada do Estado no Banif demonstra também o impacto que a crise da construção e imobiliário começa a ter no sistema bancário português. Segundo as últimas inspecções feitas pelo Banco de Portugal, o Banif era o banco mais exposto a estes dois sectores, logo seguido pelo BCP, também já intervencionado.
A instituição liderada por Jorge Tomé estava igualmente bastante exposta às PME, sector onde o malparado é cinco vezes superior à média das grandes empresas. Era ainda o banco líder na Madeira. O programa de assistência de Lisboa no arquipélago acelerou a crise na construção na região arrastando as contas do Banif. Outro dos factores de pressão foi o abundante crédito concedido a empresas do grupo Banif, acrescenta Pedro Lino.
No médio prazo, as acções do Banif – que chegaram a subir 14% na bolsa após o anúncio da recapitalização – poderão ser prejudicadas devido à presença de um Estado como accionista dominante, refere ao SOL Steven Santos, corretor da XTB.
Banca pode precisar de novos apoios do Estado
A intervenção no Banif eleva para 5,4 mil milhões de euros o montante já usado do fundo de recapitalização da troika, de 12 mil milhões de euros. Com ano e meio até ao final da intervenção externa, o prolongamento da recessão e novas falências na construção – sector que recebe a maior fatia de crédito bancário – são prováveis novos apoios à banca através da linha de assistência do FMI e da Comissão Europeia.
Depois de pedir 3 mil milhões de euros em 2012, a recapitalização do BCP através do Estado poderá não ter terminado. «O BCP continua com várias fragilidades: presença directa na Grécia, redução na concessão de crédito, exposição elevada ao sector imobiliário (é um dos líderes na captação de crédito neste segmento), e valor de mercado diluído pelos sucessivos aumentos de capital», adianta o analista da XTB.
luis.goncalves@sol.pt




Outros Relacionados:
Prós e Contras - Mauro Sampaio - 15-10-2012              Ali Babá e os 40 Ladrões
Banif Estado vai Controlar 99,2%                                O Governo e o Estado Social                     
BPN dava 20 anos Orçamento das Freguesias              BPN vendido com 60% de desconto ao BIC
Paulo Morais BPN foi Formado por Políticos                 BPN vai custar 3,4 mil milhões em 2012
Venda do BPN pouco transparente                               BPN Francisco Louça no Parlamento
Cuico Versos Submarinos e BPN                                 BPN A Fraude sem Castigo
BPN Vivenda de Cavaco no Algarve                              BPN-Falência provocava queda de 4% na ...
BPN 3 anos Subsídio Férias e Natal                             BPN Duarte Lima
BPN - Mira Amaral convida Passos                              BPN e a Bancarrota do País
O Dinheiro como Dívida Parte 1 de 5


Viva Eurípedes
Que pena este seu post ficar por aqui "escondido", sem o devido destaque, apesar da pontuação.
Por muito que os milicianos tentem esconder a privatização de 30% do Banif, a coisa não pega. Mas deixe-me dizer-lhe que caso o não fizessem, muito mais sobre o BPN viria a lume mas, mais enterrando parte da corja laranja que nos desgoverna.
O Banif está falido porque lhe faltou não o HRoque mas sim a desnatadeira dos bancos em Cabo Verde do BPN. O Banif fez uma operação toda ela baseada em dinheiros com proveniência de Fundos das offshores do BPN, ao comprar em Cabo Verde o ex-Totta & Açores que tinha sido vendido a um grupo de "investidores" (políticos e gente do PSD escondidos num Fundo de Investimento) que lhe mudaram o nome para Banco Cabo-Verdeano de Negócios e que passou a ostentar a sigla Banif há pouco tempo por forma a ser dissociado ao BPN, tão bem visto até por aquelas bandas.
Acontece que este banco não era senão mais uma plataforma para fazer girar dinheiro das muitas lavagens e trafulhices da laranjada, que "findas", pelo menos naquela praça, deixou o dito banco sem tostão, obrigado que foi pelas autoridades locais a cobrir tudo em que estava envolvido. E só em Fundos de Investimento havia milhões de milhões.
O famoso resort de que Dias Loureiro é sócio, coisa pequena de 4 mil apartamentos e 250 moradias, era financiado via BCN, o tal que substituiu o Totta.
As fábricas de genéricos do Joaquim Coimbra (a dama-de-honor de Cavaco), idem.
Autor: BrtincaNareia/Expresso


Começam com o escândalo dos dinheiros angolanos, cujos representantes em Portugal desviaram para fins mais diversos, sendo já aquele banco fortemente participado por dinheiros de sangue da Unita.
Soube há dias que o "Banif Cabo Verde", que por lá se chama BCN - Banco Cabo-Verdeano de Negócios, sendo um banco comercial de balcões abertos e autorização de captação de depósitos, aos contrário daquilo que foi o BPN local, estaria a ser negociada a venda com o Higino Carneiro e o Melo Xavier, de novo capitais angolanos, ligados a portugueses e à actividade bancária.





Os bancos maus desta Europa

by As Minhas Leituras
Não são só os bancos portugueses que se metem em sarilhos. Por exemplo, na Alemanha, em 2008, o principal banco público da Baviera (Bayern LB), com activos perto de 6 vezes a dimensão do Novo Banco, teve de ser salvo com dinheiros públicos (injecção de capital de 10 mil milhões de euros e garantias de […]

Sem comentários:

Enviar um comentário